15 de abril

GDF - Administrações Regionais GDF - Administrações Regionais GDF - Administrações Regionais GDF - Administrações Regionais GDF - Administrações Regionais
20/11/18 às 8h56 - Atualizado em 20/11/18 às 15h11

BRASÍLIA ADERE AOS 16 DIAS DE ATIVISMO PELO FIM DA VIOLÊNCIA CONTRA MULHERES

COMPARTILHAR

Da agência Brasília, com informações da secretaria-adjunta de políticas para mulheres

 

Para reforçar as ações de proteção à mulher, a Secretaria-Adjunta de Políticas para Mulheres anuncia, nesta terça-feira (20), a adesão à campanha de 2018 da Organização das Nações Unidas (ONU) de combate à violência contra a mulher e lança 16 dias de ativismo pelo fim da violência contra as mulheres.

As atividades incluem capacitação de profissionais de saúde, mobilizações em hospitais e debate com a comunidade. A proposta é chamar a atenção da sociedade para os fatores que naturalizaram a agressão das mulheres, em especial, por companheiros, pais e parentes próximos.

No Brasil, a campanha tem início em 20 de novembro — Dia Nacional da Consciência Negra — para reforçar a necessidade de enfrentamento à discriminação, considerando a dupla vulnerabilidade da mulher negra.

No restante do mundo, a iniciativa começa no dia 25, o Dia Internacional da Não Violência Contra a Mulher, e vai até 10 de dezembro, data em que foi proclamada a Declaração Universal dos Direitos Humanos.

Os 16 dias de ativismo, de forma geral, têm por objetivo a conscientização e a mobilização da sociedade para que denuncie todos os tipos de violência praticados contra meninas e mulheres no Brasil e no mundo.

O enfrentamento contra o feminicídio é o principal objetivo, uma vez que a incidência deu um salto de 75% de aumento nas ocorrências no DF.

Em 6 de dezembro, os homens serão convocados a se envolver no combate à violência contra mulheres. O intuito da data, também chamada de Dia do Laço Branco, é conscientizá-los sobre o papel que precisam desempenhar para colaborar com o fim da discriminação e violência feminina.

Dados da Secretaria de Saúde mostram que, em 2017 e 2018, houve 7.851 notificações de violência sexual, psicológica, negligência, abandono e tortura.

 

O calendário de atividades prevê 16 dias de palestras, debates, oficinas de comunicação sem violência e sessões terapêuticas, entre outras.

Além disso, nos centros de referência de assistência social (Cras) e nos centros de referência especializado de assistência social (Creas), serão veiculados vídeos educativos e documentários produzidos pela Secretaria Nacional de Políticas para Mulheres.

Em 26 de novembro e 6 de dezembro, a Rodoviária do Plano Piloto receberá ações especiais de diversos órgãos do governo. Veja abaixo a programação.

A Secretaria-Adjunta de Políticas para Mulheres é subordinada à pasta do Trabalho, Desenvolvimento Social, Mulheres, Igualdade Racial e Direitos Humanos.

 

Origem dos 16 Dias de Ativismo pelo Fim da Violência contra as Mulheres

A campanha foi criada em 25 de novembro de 1991, e o Brasil integra essa rede de enfrentamento desde 2003.

O dia foi escolhido como homenagem às irmãs Pátria, Minerva e Maria Teresa Mirabal, assassinadas em 1960 por se posicionarem contrárias ao regime do ditador da República Dominicana Rafael Trujillo.

 

FONTE: AGÊNCIA BRASÍLIA

Mapa do site Dúvidas frequentes Comunicar erros